Morte

Saía pelo mar a cachoeira
Eram dias tontos de sol e sorvete

Depois, a mão fina e delicada da amiga
A lágrima homenageando o pai
O dia azedo desmoronando a Natureza

O começo da solidão

O despertar do sal na pele


Poema e foto: Josiane Orvatich